28.12.09

Eu quero ser exorcizado pela água benta
desse olhar infindo
Que bom ser fotografado
mas pelas retinas desses olhos lindos...


Eu queria escrever delicadezas. Tentar transmitir a loucura da minha lucidez, esse emaranhado de sensações enormes. Não iria falar de paixão e nem inventaria qualquer sentimento para abrilhantar os parágrafos, seria até mais fácil visto que o texto ganharia corpo e minha cabeça flutuaria entre os amores tantos do passado, mas não relataria o que pulsa no hoje. Não relataria a tranquilidade do meu sorriso, a fluidez das tuas palavras e nem aquele verso que paira sobre mim. Queria que você sentisse essa minha embriaguez. É um vão de coisas lindas que me entorpecem ao ponto de consumi-las com os olhos bem abertos, degustando-as com-pul-si-va-men-te. Eu queria que você sentasse ao meu lado, naquela mesma mesa de bar, e pudesse entender que eu poderia repetir ah, se todos fossem iguais a você durante todo o tempo em que a tua companhia me é divina.

Está difícil, sabe? As frases estão se perdendo em questão de segundos, de uma hora para outra me pego pensando em algo completamente diferente do imaginável, do possível e vou correndo ao encontro do que tenho nas mãos. Aí fico sincera demais, saio falando qualquer coisa que surge de dentro da minha pele repleta de sentir, sem medidas, sem filtro de racionalidade. A embriaguez aumenta e saio andando por linhas deliciosamente tortas. Perco o sentido sentindo o mundo reconfigurar-se através dos meus olhos.

Sim, eu queria te escrever delicadezas, no entanto, anuncio logo o pedido de desculpas por não conseguir expor um terço do que está em festa aqui por dentro. Estou acumulando a poesia das pessoas, do dezembro iluminado, das notícias de última hora e aí, você sabe, chega a minha vez de ficar caladinha, acompanhando o samba. Eu queria te escrever textos e mais textos contando todos os detalhes de qualquer história, páginas e mais páginas com a quantidade de frases que me desse vontade, que coubesse no peito, mas estou quebrando regras, violando acordos e rasgando os planos, mal posso com a tal da coerência.

Hoje, o que me deixa feliz é saber que te ver será, por muito tempo, um fascínio.

Contudo, eu só queria te escrever delicadezas.

9 comentários:

Mila disse...

Amei o seu texto!! É a primeira vez que venho no seu blog e já me deparo com um texto desse. Você escreve muito bem! Parabéns

Gabriele Fidalgo disse...

Nossa, gostei demais!
Escrevendo maravilhosamente bem, Clara.


beijos

André Luiz disse...

quero ficar no teu corpo, feito tatuagem, que é pra te dar coragem pra seguir viagem, quando a noite vem...~

Gabriele Fidalgo disse...

Ah, e eu é que me orgulho de ter uma blog com você! Acho que formamos uma boa dupla! :)

-rayane- disse...

Que lindo! Que palavras belas e doces, parece um aconchego, sabe?!
Parabéns, és linda!

On The Rocks disse...

feliz ano novo!

felicidades sempre!

abs

Hugo Simões disse...

lindo o texto, deu pra sentir toda a emoção, tanto nele quanto nos outros seus que li. você escreve muito bem e seu blog é muito bonito! voltarei também!
:)

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...


AFECTUOSAMENTE:
A CLARA MENINA CLARA


DESEANDOOS UNAS FIESTAS ENTRANABLES OS DESEO FELIZ AÑO NUEVO 2010 Y ESPERO OS AGRADE EL POST POETIZADO DE LA CONQUISTA DE AMERICA CRISOL Y EL DE CREPUSCULO.

José
ramón...

Marguerita disse...

Escrever deste jeito sempre expõe a tua delicadeza, mesmo que não sejam rosas.


beijos e um feliz 2010!