9.9.08

Ao poeta

Me explica, poeta, o teu mistério?
Não! Deixa-me desvendar-te: és mesmo sozinho ou apenas
utilizas essa fantasia para disfarçar o teu coração cheio de móveis?
Teus olhares esbarram nos meus e atiçam meu instinto de bailarina.
Sim, bailarina.
Danço ao som dos teus versos intensos, abrangentes, do mundo.
Tuas palavras doídas são meus passos lentos.
Oh, poeta, versa sempre!
Sabes bem das minhas letras guardadas no viés da saia e até brincas com elas.
Sabes também da minha fita no cabelo, reconheces as minhas nuances nas ladeiras e
meu medo do tempo.
Mas como reconhecer-te em pleno desfile de máscaras?
Diz agora, poeta, onde eu te encontro realmente?
Onde o teu tempo de meia-vida é superior aos segundos do teu olhar?
Responde, poeta, minhas perguntas secretas?
Transcreve esse teu caos, essa tua alma de gente grande demais, transcreve!
E no meio dos teus versos sobre presente e passado confusos, me inclui, fotografa.
Sou louca, poeta.
Mas quem não é?

21 comentários:

Gabriele Fidalgo disse...

Nossa, Clara!

Que delicadeza, que força, que intensidade!

Parabéns!

:***

Bernardo Sampaio disse...

Poxa... Lindo mesmo. Lindo mesmo. Me deu vontade até de ser tão poeta assim, pra ter essa admiração, pra tocar.

:)

Bernardo Sampaio disse...

muito bom.
:)

Camilinha disse...

Achei lindo!

Eu queria perguntar ao meu poeta tantas coisas também...


beijos daqui...

Filipe Garcia disse...

Engraçado como a poesia tem efeito sobre nós, meros mortais. Ela nos traz pro peito a idéia de eternidade e nos transporta pra um mundo além. Poeta é aquele que sabe das nossas coisas, das nossas cores sem nunca ter nos visto. Difícil um encontro. Eu diria que o encontro quebraria toda a mágica. O encanto do poeta é ser, assim, invisível na sua forma, presente em seus versos.

Você, como sempre, dando uma aula de poesia pra gente. Lindo, Clara. Sem igual. Meu beijo.

Polly disse...

A melhor palavra:
LINDOOOOOOO

JOCENDIR CAMARGO disse...

És poetisa no sangue, no coração e no sonhar... sempre a nos premiar com seus escritos natos de uma linda alma...
Parabéns pela pureza transmitida!!!

disse...

Pois é. Quem não é um pouco louco?

Bjo

Ká. disse...

De loucuras se forma o amor...
e de amor se forma o poeta.

Fiquei aqui, pensando...Quantas respostas ocultas nos poetas que, mesmo dizendo muito, sobre si dizem quase nada?

Bjos Clara...

Narradora disse...

Sem um certo desatino, o que seria do amor e da poesia?
Bjs

Pablo Ravel disse...

gostei

Camila. disse...

Não é linda? Não é linda a paixão?
Enxergo-a em cada linha pela qual passo meus olhos, ouço sua voz de anjo em cada pequena palavra.

Escreveu muito bem, menina Clara, e foi tão intensa, e teve tanta força, e foi um sussurro tão cheio de grito!

Juliana.Campos disse...

Tava com saudades das tuas palavras tão leves e ao mesmo tempo carregadas de emoção e sentimento!
Simplemente lindo!

Bernardo Sampaio disse...

de onde tu surgiu com essas palavras tão bonitas?

:)

Clara disse...

muito bom!
chará é? ;}

Gabriele Fidalgo disse...

Tá combinado, Clara!
Vamos fazer escrever isso sim.
Sério!

:)

Gabriele Fidalgo disse...

ops: fazer isso sim *

Bernardo Sampaio disse...

É...
acho que é assim mesmo comigo.
As palavras são um presente.

Não tinha percebido que tu é daqui. Tem no teu blog neh?

nj.marabuto disse...

caraca!!! que vontade de te dar um beijo!

Tiago Júlio disse...

Desculpa o lapso tão grande, menina.

É preciso estar com espírito (ou quase isso) pra ler palavras como as tuas.
Sabe, o teu comentário lá pelas minhas bandas me fez refletir... Acho mesmo que o tempo pode ser distorcido, o que dá leveza e faz valer à pena (às vezes grande demais) é essa poesia toda.
É sentir, transmitir, transbordar assim como tu faz.

Nesse momento meu maior desejo é mesmo distorcer o espaço... mas aí já é demais.
Queria falar mais... Mas acho que é o suficiente.
Parabéns.

imnotinsane disse...

Adorei ***