9.10.08

Ao menino desconhecido da menina

Um dia, todos os meus versos eram destinados a você. Cor, jeito, sabor, textura e melodia voltadas a você, a qualquer coisa que pudesse captar tuas sintonias. Me lembro o quanto me desdobrei para ser tua, as letras em formas de partituras decoradas especialmente para o teu ouvido.
Meses, sonhos e um pôr-do-sol. O fim inesperado de uma tarde, a imensidão ganhando um desfecho. Poderias imaginar isto?
Sabe, no meio de todo esse turbilhão incompreensível, tentei te guardar em um papel com sonetos, fui colhendo todos os verões, refazendo o álbum. Acreditei, por um tempo, que isto fazia parte de minhas obrigações diárias: não te deixar ir embora de mim, cultivar um jardim de 'nós'.
Ah, como eu tentei! Como revirei cada pedaço meu procurando a parte que me pertencia, que te continha.
E você? Você passou por todas as ruas alheio a minha procura.
Fingiu acreditar nesse fim imposto e de pouco sentido. Acreditou tanto que se prendeu a mim de um jeito estranho, sufocante, desequilibrando a minha pose de bailarina.
Com você, não consigo rodopiar. Com você não consigo sair dessa dança lenta e angustiante, decorada por um movimento qualquer.
E vim aqui para te dizer que não cabes mais nos meus versos, no meu samba e nem no meu abraço. Não cabes mais em mim.
Por isso, fique com sua viola desafinada e eu com as minhas letras correndo atrás de um mundo novo, imenso e de métrica livre.

12 comentários:

renatavaz disse...

é, talvez o "desconhecido" tenha sido a palavra certa.
E esse texto tá lindo, diz muito e ao mesmo tempo diz o que não será mais dito. :)
aaaaaaaaaaaaah!
amanhã não me venha com morena, a outra, liberdade, nem nada disso. ahhaha!
linda! :) beijo!

e-letrizada disse...

"..desequilibrando a minha pose de bailarina.
Com você, não consigo rodopiar.."

Bacana a comparação!
haha
:)

Flávia disse...

Qaundo esse dia chega, é a gente que não cabe mais no passo de dança do outro - e há novos passos, novas melodias, novos palcos a nossa espera.

Beijos, menina :D

André Souza disse...

Dói, dói, dói.
E é tão bela essa luta, tão sutil e intensa ao mesmo tempo.
E te digo, isso é necessário. E tu sabe que é.
E desconhecer é tão importante quanto conhecer, todos os dias, lembre-se clarinha: desaprenda e aprenda tudo de novo, com toda intensidade que cada coisa deve ter ou não.
Você é intensa e te quero pra sempre pequena.
Beijo grande de longe.

JOCENDIR CAMARGO disse...

Quando alguém que não consegue notar seu despreendimento, suas tentavivas, suas buscas, esse "alguém" não merece sua atenção.... é uma dor grande a gente abandonar ess caminho e partir a trilhar outro caminho... é uma dor grande a gente desistir de um amor, de um querer e ir em busca de outro, porém a beleza, o encanto de um novo amor nos faz esquecer a dor que um dia existiu, então... vamos correr atrás de um novo, seja um novo amigo, um novo querer, um novo amor, seja que novo fot, cora atrás...

beijo e meu carinho para TÍ...

Leonardo Hoffman disse...

O que prende sem métrica livre acomoda,fica insonoro.
__

Me encanta como seus versos deslizam os olhos da gente sobre as linhas.
Compassa,afina,imprime,dança.
É emoção,como música.
Por isso e por tanto mais;minha musicista.

Teu.

Salve Jorge disse...

Se liberta da métrica
Que o menino
Mesmo se desafina
Tá entranhado na carne da menina
Já fez parte da sina
Que te quis o destino
Foi semântica na história
E como a vida não é fruto do Romantismo
Nem sempre tem vitória
Na beirada do abismo
Tantos caem
Alguns se esvaem
E outros voam
Seja porque destoam
Seja porque tem asas
E estão cansados do chão
Das casas
Das covas razas
E anseiam pela imensidão
Então traga tua inspiração
QUe é imenso
E contigo é muito mais propenso
De ficar mais bonito
De tão infinito...

Cadinho RoCo disse...

É assim que surgem novos caminhos.
Cadinho RoCo

Gabriele Fidalgo disse...

É tão bom quando esse dia chega.
Perceber que quando existe algum tipo insistência, não vale a pena. E a batalha chega ao fim.

E ainda bem que as coisas mudam.

Beijos. :)

imnotinsane disse...

Texto brutalmente lindo
***

Palhaço disse...

a busca constante e cega por um amor a principio nao correspondido, que um dia chega ao fim, inesplicavel fim...
quem nunca viveu isso é porque nunca sentiu o amor pulsar nas veias, parar o tempo com a força do pensamento, se abster do mundo...

texto Inoxidável!
lindo!

Clarissa Mendes disse...

meu deus, tá lindo.
como é que tu consegue ser tão certeira, em?
beijo! :)