31.12.08


Desculpem os mais fervorosos céticos presentes, mas essa coisa de fim de ano não me deixa longe das esperanças, daquele gostinho bom de recomeço. Champanhe, por favor. Preciso comemorar os dias, as noites e, principalmente, as madrugadas. Digerir toda essa mudança voluntária e bem vinda, essa sede por vida, cada vez mais. Brindemos, brindemos, brindemos. E me deixa sorrir para esse mundo que se aproxima gritando enlouquecido, deliciosamente necessário.
Deixa eu sorrir para as palavras, minha quarta dimensão. Esse abraço intenso e livre de nós duas, a parceria para uma vida inteira. O sonho que deixou de ser sonho e me fez ser. Ao quanto sangrou. Brindemos a Caio ( com todo o meu grande amor) e suas/nossas/minhas epifanias, a Drummond, Clarice,Quintana, Freire, a Flor[ mais ]Bela, a Samarone e a inspiração literária, as crias poéticas que me enfeitaram e me deixaram em plena metamorfose. A toda e insustentável leveza do ser. A Poesia, gente, a poesia! Essa necessidade vital de arte. Música. Gaitas, violões e ao pandeiro do menino nas ladeiras olindenses. A tudo o que for e foi da cadência bonita do samba. A dança que se instalou em mim, frevando sem parar. Ao que na prática foi o contrário, aos paradoxos, sinceridade. A falta de lógica, de senso e de tempo. Janelas, isso, um gole para as janelas.
Ah, as tais descobertas... Pessoas que brotaram no jardim e me iluminaram. Tudo o que foi compartilhado, desejado e escrito. Todos os romances, todos os clichês. Todas as madrugadas cantaroladas, os cigarros apagados e os sorrisos destinados a mim. A todos os que me amaram por uma noite e a todos que eu amo por uma vida. A toda essa coisa de sentir. Ao que pulsa. Os significados e as certezas incertas. Aos erros, aos medos, aos remédios, a todas as tarjas e seus efeitos entorpecentes. Ao dia feliz. Os buracos, as fossas e a insônia. A essa veia literária e esse gosto agridoce. A dor. As loucuras feitas no segundo, aos abraços interrompidos, os beijos intermináveis e essa energia que explodiu de/em mim. Toda preciosidade encontrada em um tarde, em uma frase. As chegadas e partidas, viagens. Aos teus braços que foram abrigo, teus olhos que viraram céu - meu muito obrigada por ter invadido a minha vida, fincado raízes e ter me transformado em cor. Ao que não foi e deveria ser e a tudo o que foi, mas não deveria ter sido. As minhas Marias. Ao silêncio. As lágrimas que ficaram presas. A linha tênue do equilíbrio. As vitórias. As declarações inesperadas. A coragem.
Salve as outras linhas e como elas se uniram as minhas. Salve os encontros e desencontros, as tentativas, essa angústia no peito. A paixão crescente pela fotografia e todas as paixões adjacentes. Planos, papéis. A todas as pessoas que me ensinaram que espaço físico é um detalhe para quem sabe voar. As borboletas azuis, verdes, amarelas. As mentiras sinceras, as lindezas dessa vida. Os olhares, venenos e ressacas. A essa coisa que não tem nome e faz falta. Ao que tem nome e não faz. Salve, salve Jorge! Salve essa teia protetora que me ronda, me abraça e me faz Clara. Ao meu anjo da voz bonita. A minha estrela cintilante. KátiaMaurícioMarcelo muito obrigada por ter me feito entender que a vida é doce. A essas lágrimas que caem, agora. Isso, a esse agora, esse instante. As mãos dadas quando o redemoinho se aproximava. A essa felicidade. Ao cantar a alegria. Essa euforia luminosa sem razão de ser, mas já sendo.

No mais, todo amor que houver nessa vida.


12 comentários:

Erica Marie disse...

Então brindemos!!!

Dá uma passadinha lá no meu blog!!

Bjs e feliz 2009!

Ni disse...

Eu quero muito escrever aqui, qualquer coisa, qualquer pedacinho de letra que te faça perceber o quão forte foi e é tudo isso aqui. É provável que eu escreva um texto, mas já nem me importo mais porque as coisas importantes têm de ser ditas quando o coração pede.
Clarinha, eu tô chorando agora por todas as coisas lindas que, mesmo inconscientemente, tu me destes durante esse ano todo. Deu muito mais que uma simples metáfora, "clarear". Clareou de verdade. Obrigada por isso também, minha vida foi mais simples e colorida depois que tu viestes pra dentro dela.
Florbela, Clarice, Quintana, Drummond! Drummond, que nos mostrou os verbos mais importantes. Caio, o Caio de quem eu não consigo nem falar porque é tudo tão intrínseco... Tão bonito.
Acredito que nesse ano, por todas as transformações, por todos os aprendizados, por todas as derrotas e vitórias, todos os sambas, todos os dias e noites de amor, por tudo. acredto que valeu e vai continuar valendo a pena, então sorri. Continua e vai em frente, menina gigante! E conjuga, eu te gosto além dos anos, minha querida clareante com sotaque.

ALÉM DA TERRA, ALÉM DO CÉU

Além da Terra, além do Céu,
no trampolim do sem-fim das estrelas,
no rastro dos astros,
na magnólia das nebulosas.
Além, muito além do sistema solar,
até onde alcançam o pensamento e o coração,
vamos!
vamos conjugar
o verbo fundamental essencial,
o verbo transcendente, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política,
o verbo sempreamar,
o verbo pluriamar,
razão de ser e de viver.

Carlos Drummond de Andrade

a clara menina Clara disse...

Érica, qual o teu blog?

Bernardo Sampaio disse...

poxa, valeu. talvez seja pq eu to tendo sentimentos mais positivos, quem sabe. isso diminui um pouco a inspiração, mas tá valendo.

desejo criatividade em 2009.
heiuheiue

beijos.

Camilinha disse...

LINDONA!!!!!!!!!!!


FELIZ 2009 COM TUDO QUE ELE POSSA TE TRAZER DE BOM, DE APRENDIZADO, DE ALEGRIA, DE VIDA!!!!

VOCÊ MERECE UM ANO PARECIDO CONTIGO: MARAVILHOSO!!!


BEIJOS DAQUI...

Daah O. disse...

Voltei ao blog querida.
=)
Feliz 2009 pra ti.

Sunflower disse...

Aos que amarram trombas sem motivo, aos que torcem o nariz para as coisas pequenas e belas da vida, não brindo. Mas, já você, querida. Todo dia é ano novo.
beijaaaaaas

Thaís Nóbrega disse...

todo amor que houver nessa vida.

Thaís Nóbrega disse...

todo amor que houver nessa vida.

Tarcísio Buenas. disse...

clara,

que lindo!

um brinde à vida.

bj

.duas doses de desdém - Gui disse...

todo amor que houver nessa vida!!!

=D


Ótimo ano novo!!

kátia disse...

Menina, o que é isso? Aliás eu mesma posso responder.
Isso é a pura explosão da poesia!
Brindemos Clara, brindemos.
Um ano lindo quanto a tua poesia.
AMO TU.
Bjs