9.5.10


* Ao som de Clareana - Joyce



Nascemos assim: você me enxergava como poesia se criando e eu como uma proteção indiscutível. Por gostar tanto dessa coisa de letras que se enfeitam, você quis que o meu coração fosse de mel e de melão enquanto eu ainda era um bichinho no sol da manhã.

Meu coração batia. Clara, Ana e a tal da Clareana iam se formando para amar você. Entre tudo o que você cantarolava com essa voz doce, eu ia dançando quietinha ao teu lado naquela parte em que o violão falava por nós duas. E éramos e somos aquilo que se chama de par. Parceiras. Cada uma em seu tempo, em seu jeito explosivo. Água, terra, fogo e ar, juntos. Juntas.


É que eu não queria te falar de admiração, de gratidão, de afinidade. Nada disso cabe em nenhuma das letras que por ventura venham aparecer por aqui. Nada. Nada é capaz de explicar um milésimo do que você é, do que somos nós. É coisa de sentir, de amar, aquilo que você sabe tão bem e me passou como legado quase artístico. É uma arte te amar, é sempre o meu melhor texto, a minha maior sintonia.

Mas, me deixa voltar a música antes que você abra mais uma vez a porta do quarto e sonolenta diga: Clara, você ainda tá aí? É dela que eu quero falar, é no ritmo dela que eu quero que você acompanhe as próximas letras.

Entre sins e nãos, o meu maior amor é você.


Nesse dia e em todos os outros...poesia.

13 comentários:

Jaya Magalhães disse...

É você.

Marguerita disse...

Lindo demais! O amor é sempre poesia!

Bjos

borboleta disse...

aiai, esse amor que não tem tamanho,né? minha mãe quase morre do peito com o meu texto.. só que a tolinha não tinha visto ainda o comentário do meu irmão. quando ela viu, tadinha... fiquei com pena, sério mesmo! no telefone: "carlinha, tou sem saber falar" ai eu "mãe, tu viu o comentário de phillipe?" ai ela "NÃO". "mãe, abre ai, vai..." quando ela começa a ler... na segunda frase ela fala "oh, eu vou desligar nesse segundo" e o choro vindo em seguida! HAHAHAHHA

Narradora disse...

Bem lindo :)
Gosto de nome que vem de música e de quando cantam contando o porquê.
Bjs

disse...

Nesse dia e em todos os outros... amor. Te sigo menina clara.

Tarcísio Buenas. disse...

belo post. o texto flui, é leve...

bj

Matheus N. disse...

é Clara, e tudo o que isso pode representar.

Daniela Filipini disse...

Nada como o amor e a poesia quando são um só.

Marcos Satoru Kawanami disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
On The Rocks disse...

lindo seu nome, lindo seu post, lindo seu blog, linda você.

bj

;)

Lorena Granja. disse...

que delícia te ler.
beijos

Marcos Satoru Kawanami disse...

rosto de simpatia sincera, lembra meus 12 anos e os amigos da escola: a Banda Marcial do Colégio Cenecista Capitão Lemos Cunha, e a molecada do futebol no bairro do Galeão (RJ).

Marcos Satoru Kawanami disse...

saudade de 1988

;***
Marcos